Pesquisa

PagSeguro UOL

Doação PayPal

R$100,00 ao Mês por Exemplo
   
          

Vamos Frutificar

Organograma da Igreja:

 

Vídeos de Cruzadas e Escolas:

 

R.M.M.

Rede de Mobilizacao Missionaria:

CaminharSozinho

D.A. - Discipulado Apostólico 1+1:

discipulos

 

Estudos Bíblicos - Protestantismo: o que deu errado?
Índice do Artigo
Estudos Bíblicos
95 Teses da Reforma
AP - Barreiras para sermos Respondidos
Ciência não Exclui DEUS
Cientistas Descobrem Sodoma e Gomorra
Contemporaneidade dos DONS Espirituais
Curso de Exorcismo no Vaticano
Demônios que Energizam os Pensamentos dos Incrédulos
Entrevista Pastor Doug Fields
ESPANHOL - Adorando lo que Sabemos
ESPANHOL - Geración Profética
ESPANHOL - Mujer un Istrumento nas Manos de Dios
ESPANHOL - Una Iglesia en Avivamiento
AP - EVANGELISMO e DISCIPULADO
Exorcismo Científico
Expedição Russa sai em Busca da Arca de Noé
Feiticeira de En-Dor - I Sm 28.1-25
Feriados de Origem Pagã
História das Cartas do Baralho
Ap - História dos Avivamentos Espirituais
AP - Impedimentos de Entrar no Santo dos Santos
Informações Importantes sobre os
INGLES - Prophetic Generation
INGLES - The Church Livening
INGLES - Woman - An Instrument in God's Hand
AP - Intercessor na sala do Trono
AP - Jejum Bíblico
AP - Jejum Bíblico
Martírio dos Apostolos
AP - Métodos Dinâmicos para Manter a Chama Viva
MONDEX - ILLUMINATI
AP - Movimentos de Oração Modernos
AP - Movimentos de Oração Modernos
AP - Oração Cristã
AP - Oração Vitoriosa
Os Camelos Engolidos por Calvino
AP - Para que tanta Oração se Deus já sabe de tudo?
Paz com DEUS
Paz com DEUS
Primeiros Cristao e a Reencarnacao
Principais Datas do Evangelho no Brasil
Principais Datas do Cristianismo
Protestantismo: o que deu errado?
Queda da Babilônia
Sociedades Secretas e o Senhor Jesus Cristo - Parte 1
Sugestões Práticas para Equipes de Intercessão
AP - Tempo de Colher e não mais de Semear
AP - Tipos de Oração
AP - Tipos de Oração
AP - Você Precisa Orar
Todas Páginas

Protestantismo: o que deu errado?
por Dom Robinson Cavalcanti

Protestantismo: o que deu errado?

Dom Robinson Cavalcanti ( *)

Durante a adolescência, embriagado com a experiência de conversão, cultivei um ardente e secreto desejo de emigrar para um "país protestante". Quando ouvia falar que 97% da população da Suécia era filiada à Igreja Luterana, ficava imaginando, deslumbrado, as multidões de pessoas superlotando os templos aos domingos, com a Bíblia debaixo do braço. Os países protestantes deveriam ser algo como "ensaios do céu": paz, amor, justiça e honestidade, todo mundo se tratando por "irmão". 

Na universidade, lendo mais e conversando com viajantes, entrei em contato, chocado e decepcionado, com a existência da categoria de protestantes nominais, especialmente em igrejas ligadas ao Estado, com bispos nomeados e pastores funcionários públicos. Um velho pastor me falou que aqueles países se tornaram protestantes "por decreto", e que a fé não se transmite biologicamente às novas e esfriadas gerações. Na ABU, discipulado pelo pastor Dionísio Pape, fui aprender que existia uma outra estranha categoria de protestantes: os liberais. Enquanto os nominais pareciam crer de fora, os liberais descriam dentro da Igreja. Ele me falou da influência racionalista do iluminismo, via faculdades de teologia, nas universidades públicas, dos professores de teologia e clérigos profissionais que, embora chamados de luteranos, presbiterianos ou anglicanos, não acreditavam no que Lutero, Calvino ou Cranmer haviam escrito, inclusive as históricas confissões de fé de suas igrejas. 

Isso era muito estranho para mim, então membro da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB) — vinculada ao Sínodo de Missouri —, que eram luteranos "de mesmo", ou seja, continuavam a acreditar nos ensinos da Reforma Protestante. Então, fui descobrindo que em todos os ramos reformados (variando de país para país) havia os nominais, os liberais e os "de mesmo" (ora chamados de conservadores, ora de fundamentalistas). Ainda na universidade, tive os meus primeiros contatos com liberais daqui, de quem recebi impiedosas gozações por minhas conversas ingênuas sobre conversão. Em uma de minhas viagens ao exterior ouvi, perplexo, um cristão da Índia falar que um dos grandes obstáculos à evangelização do seu país fora o fato de que filhos de indianos que iam estudar na Europa enviavam para suas famílias livros de autores "cristãos" negando a divindade de Cristo, o nascimento virginal, os milagres, a expiação, a ressurreição, o que se constituía em um prato cheio a ser usado contra os missionários.
 
O tempo foi passando e fui conhecendo melhor — por meio de leituras, conversas e viagens — a multiforme "fauna" protestante, em que nem todos os gatos são pardos. Apesar de tudo, criado na Igreja Romana pré-Vaticano II, convertido por influência de adventistas do sétimo dia, batistas e presbiterianos, doutrinado na IELB e na ABU, cheguei ao anglicanismo, de linha dita evangelical, pelas mãos de John Sttot, com a mesma fé simples e a mesma vibração pela Reforma adquirida na adolescência. Por esses caminhos incompreensíveis da Providência terminei por ser bispo anglicano justamente no meio de uma batalha em que, em setores chaves dos países centrais, se nega a autoridade das Sagradas Escrituras, a unicidade de Cristo ( um caminho, o nosso caminho, mas não o único caminho), em uma igreja sem doutrinas nem padrões de comportamento, unida apenas por tradições, "laços de afeição" e coreografias, uma espécie de sociedade lítero-recreativa vale-tudo.

A gente sempre se consola com a certeza de que, mesmo com a pecaminosa fragmentação denominacional, os pseudo-protestantismos e suas "sessões de descarrego", permanecerá sempre um remanescente fiel, e que o cristianismo ainda é pujante no hemisfério sul. Mas, para quem vibrou com as biografias dos reformadores, as confissões de fé e os catecismos, descobrindo a centralidade da Bíblia e da cruz de Cristo, com sua experiência de conversão, de novo nascimento, fica sempre a pergunta incômoda: o que deu errado com o protestantismo? E se percebe que as "conversões por decreto", a ligação Igreja–Estado, as faculdades de teologia influenciadas pelo iluminismo, formando mais teóricos do que pastores, a religião como tradição e o ministério como profissão, com os céticos dominando as máquinas eclesiásticas, o não-discipulado das gerações, concorreram para essa descaracterização e decadência. 

Mas será que a preocupação com a soteriologia (salvação pela graça mediante a fé), escorada na autoridade de um texto — a Bíblia (detonada pelo iluminismo e seu filhote, o liberalismo) —, não se relacionou com um individualismo que confundiu "livre exame" com "livre interpretação", reformando sempre não as formas, mas o conteúdo? E deixou uma grande lacuna que foi a eclesiologia (a falta de uma doutrina sólida sobre a Igreja), inclusive com o abandono do episcopado histórico, ficando o protestantismo sem mecanismos adequados para a preservação da unidade e da verdade? 
 


* Dom Robinson Cavalcanti é Bispo Anglicano da Diocese do Recife e autor de, entre outros, Cristianismo e Política – teoria bíblica e prática histórica e A Igreja, o País e o Mundo – desafios a uma fé engajada.

 



 

Relacionamento

Conexoes Ministeriais
 
escudos

Adquira o Livro:

LIVROOOOOO
 
Vamos a Moçambique?

logo Amor pelas Nacoes

Vamos ai Haiti e Cuba?

Julio Patrico em Haiti e Cuba

Sala de Oração ON-Line:

TOCAR O CEU PELA ORACAO

 Entre no Grupo 

facebook

 

 Canal YouTube

 

youtube

 

 

Galeria de Fotos

Newsletter

Assine nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades da nossa igreja.
Receber em HTML?

Vem ai...

Sem eventos

Ministério Avivamento Extravagante | Escola de Ativação Profética.